O consórcio já demonstra ser uma das alternativas mais viáveis como solução de crédito, e é utilizado para se adquirir um produto, um serviço ou um imóvel. Levando em conta que um consórcio não cobra taxas de juros e segue livre de questões burocráticas, é muito mais vantajoso o consórcio de imóvel do que um financiamento.

Aprenda mais sobre consórcios e avalie se vale a pena investir.

Para você entender melhor esse assunto, é importante entender como nasceu essa modalidade de crédito adquirido de forma a médio e longo prazo. Na década de 60, não existiam opções de financiamento como existe em larga escala nos dias de hoje. Devido a isso, o Banco do Brasil teve a atitude de criar uma forma de caderneta de poupança coletiva. Quando o valor atingisse um determinado número, um dos participantes seria consagrado com esse crédito.

Nos dias de hoje o conceito é o mesmo, mas além do Banco do Brasil, muitas empresas fiscalizadas diretamente pelo BC – Banco Central, prestam este serviço. Essas empresas oferecem consórcio de imóvel, de veículos, de produtos, de serviços, de forma a médio e longo prazo.

Mas como o consórcio funciona de um modo geral?

O consórcio não é complicado de entender, basta você comparar com uma caderneta de poupança. Uma empresa responsável por administrar um consórcio irá reunir um grupo de investidores interessados especificamente em um bem. Essas pessoas irão pagar parcelas todos os meses para a aquisição deste bem, formando assim o caixa do grupo. Dentro de um período determinado por esse consórcio, pessoas desse grupo recebem uma carta de crédito.

Essa carta de crédito é referente ao valor do produto, serviço ou do consórcio de imóvel que será adquirido, seguindo formas diferentes. As cartas de créditos podem ser sorteadas ou serem concedidas através de lances realizados junto ao consórcio. Os sorteios seguem os critérios da administradora do consórcio com regras e fiscalizações acompanhadas pelo BC. São baseados no resultado da Loteria Federal junto ao número do consórcio de um investidor.

A segunda forma de se obter a carta de crédito é através de uma forma de leilão, onde o investidor dá lances em busca da carta de crédito. Quem conseguir dar um lance de maior valor no leilão receberá a carta de crédito. Caso você não consiga vencer nenhum dos lances e também não seja sorteado para receber a carta de crédito, você irá receber esse documento no final do parcelamento do consórcio.

Vantagens e desvantagens de um consórcio

Sem dúvidas, a maior vantagem de um consórcio é conseguir fugir dos juros abusivos que são praticados no Brasil e a alta burocracia para a aquisição de um bem. Neste caso, você mata dois coelhos com uma cajadada só. É muito fácil e simples adquirir um consórcio, basta contratar um e pagar as parcelas em dia.

A maior desvantagem do consórcio está relacionada com o tempo de aplicação do capital. Ou seja, ele deve ser encarado como um investimento a longo prazo. Você não deverá contar com esse consórcio de imóvel a curto prazo caso você pague aluguel. É importante estar atento ao valor que o determinado imóvel atingirá no término do prazo do consórcio. Pode ser que o valor do consórcio não cubra o valor do imóvel devido a sua valorização ao longo dos anos.

Fonte: Juros Baixos