Crescimento da inadimplência no Brasil pode levar à perda do imóvel financiado

IMÓVEIS /INADIMPLÊNCIA

 

 Desemprego e perda de massa salarial eleva o número de inadimplentes no Brasil. Ao analisar os recentes estudos divulgados sobre inadimplência, a AMSPA – Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências alerta para a possibilidade da perda dos imóveis financiados.  

Cerca de 60 milhões de brasileiros estão endividados segundo estudos de três conceituadas entidades de crédito: Serasa Experian, SPC e CNC Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Para a Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências (AMSPA) a queda no rendimento das famílias brasileiras pode levar à perda da casa própria.

“Os indicadores assustam”, revela Marco Aurélio Luz, presidente da  AMSPA. “Ainda assim Congresso e governo federal continuam editando medidas provisórias – como a MP 775 e a MP dos Distratos – que comprometem ainda mais a renda das famílias”, salienta.

O Congresso aprovou, em agosto, a MP 775, que permite que o trabalhador incapaz de arcar com os custos de um imóvel financiado seja obrigado a devolver o bem e ainda continuar pagando as parcelas, caso o banco considere que a dívida ficou maior que o valor da propriedade.

Já a famigerada MP dos Distratos, atualmente na Casa Civil, deve ser publicada a qualquer momento. Pela regulamentação, no caso de imóveis comprados na planta, o atraso de três prestações pode ser motivo para a construtora poderá solicitar a rescisão do contrato com o mutuário e reter até 30% do valor já pago, desde que o montante não ultrapasse 10% do valor do imóvel. Nessas situações também será descontada a taxa de corretagem.

O presidente da AMSPA lembra ainda que pelo SFH – Sistema Financeiro da Habitação, após a falta de pagamento de três prestações, o dono do imóvel é notificado por escrito e tem seu nome incluído nos cadastros de proteção ao crédito. Já no SFI – Sistema Financeiro Imobiliário, se atraso for superior a 30 dias, o mutuário é intimado a pagar a dívida via Cartório de Títulos e Documentos. Caso não o faça no prazo de 15 dias, o banco passa a ter a posse do bem e pode levar o imóvel a leilão extrajudicial, no qual o comprador não tem direito a qualquer defesa.

Pesquisas sobre inadimplência das famílias brasileiras

De acordo com a Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic Nacional), apurada pela CNC, o percentual de famílias que relataram ter dívidas alcançou 57,1% em julho de 2017.  Desses, 8% declararam estar em atraso com o financiamento da casa própria.

Já a estimativa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aponta que o volume de endividados fechou o mês de julho na casa dos 59,4 milhões de pessoas com idades entre 18 e 95 anos (39,3% da população brasileira). Desemprego e perda de massa salarial, devido ao aumento do custo de vida, são as principais causas.

Estudo a Serasa Experian indica que, em julho de 2017, o percentual de inadimplência no Estado de São Paulo foi de 33,4% da população e no Brasil chegou a 28,8%.  De acordo com o estudo, o número de brasileiros com dívidas ultrapassou a marca de 60,6 milhões de pessoas em julho, registrando o maior patamar desde o início das medições, em 2012. A dificuldade das famílias pode ser explicada devido ao custo ainda elevado do crédito, e pelo alto índice de desemprego no País. Para piorar o cenário, o economista da entidade, Luiz Rabi, acredita que a tendência é a inadimplência crescer nos próximos três meses.

SERVIÇO

Os interessados em mais esclarecimentos podem entrar em contato com a AMSPA pelos telefones 0800 77 79 230 (para mutuários fora de São Paulo), (11) 3292-9230 / 3242-4334 (sede Sé), (11) 2095-9090 (Tatuapé), (11) 3019-1899 (Faria Lima), (19) 3236-0566 (Campinas), (12) 3019-3521 (S. J. Campos) e (13) 3252-1665 (Santos).

Endereços e mais informações no sitewww.amspa.com.br.

Notícias relacionadas

Atraso na entrega representa 20% das reclamações contra construtoras

Atraso nas obras: o que fazer?

Problemas na desistência do imóvel lidera o número de reclamações de mutuários em 2014

Queixas no cancelamento de compra do imóvel disparam em 2015

Desistente de imóvel deve receber valor à vista, define justiça