Caixa vende milhares de imóveis com preços bem abaixo do mercado para morar ou investir

Casas, apartamentos e terrenos são colocados à venda nos mais diversos bairros de várias cidades

Milhares de casas, apartamentos e terrenos estão à venda com preços bem abaixo do mercado em todo o Brasil. Os imóveis são oferecidos pela Caixa, trazendo uma seleção com as mais variadas alternativas, desde casas e apartamentos de luxo em bairros nobres nas maiores cidades do país a imóveis com valores bastante acessíveis para qualquer perfil. Você pode conferir a lista completa aqui.

A compra pode ter qualquer finalidade: alugar, emprestar, ou até mesmo investindo, revendendo logo em seguida a preço de mercado. Esses são todos imóveis de propriedade da Caixa, devolvidos à instituição financeira por falta de pagamento pelos antigos donos, conforme previsto em lei pela garantia de alienação fiduciária.

Todos os imóveis listados pela Caixa são acompanhados de um edital. É importante ler com atenção, porque todas as informações relevantes sobre a negociação devem estar descritas no documento.

Ao retomar o imóvel, a Caixa coloca a propriedade à venda em até dois leilões. O primeiro é feito 30 dias após a devolução, e nessa primeira etapa a oferta é pelo valor de mercado. Se não houver nenhum comprador, é feito um novo leilão em um período de 15 dias, mas dessa vez ao valor da dívida. Se ainda assim continuar à venda, o imóvel pode ser oferecido em três modalidades diferentes: licitação aberta, licitação fechada ou venda direta. Confira, abaixo, um quadro-resumo sobre como cada modalidade funciona:

Regras para compra
Licitação aberta Vá ao local indicado no edital com CPF, RG e comprovante de endereço em mãos. A oferta é feita verbalmente, e o melhor lance, respeitando o valor mínimo de venda, vence.
Licitação fechada Entregue um envelope lacrado com a proposta de compra em qualquer agência da Caixa ou no local indicado no edital. Todas as ofertas são abertas e classificadas, e a melhor proposta, respeitando o preço mínimo de venda, ganha. É preciso fazer um depósito-caução de 5% do valor do imóvel.
Venda direta O imóvel é vendido ao primeiro interessado que fizer o depósito-caução com 5% do valor do imóvel e apresentar a proposta de valor igual ou superior ao preço mínimo. A negociação pode ser intermediada por um corretor ou uma imobiliária credenciada, e a comissão de vendas é paga pela Caixa.

Financiamento e contas

Qualquer uma dessas modalidades conta com a possibilidade de financiamento pela própria Caixa. Também é possível usar o FGTS, respeitando as mesmas regras válidas para qualquer outra compra de imóvel.

O novo proprietário não arca com nenhum custo relativo às contas de condomínio e IPTU em atraso, considerando o período até a data da venda. É a Caixa quem paga esses valores, desde que o comprador não seja o responsável pelos débitos existentes ou que conste informação diferente no respectivo edital.

Como registrar o imóvel

Em todas as modalidades, existe a possibilidade de os imóveis ainda estarem ocupados. Antes de prosseguir com a proposta, é importante estar ciente de que a responsabilidade de conduzir a desocupação é do novo proprietário. A informação se o imóvel está ocupado ou desocupado fica disponível para todos os imóveis colocados à venda, que você pode pesquisar aqui.

Ao fazer a compra, é preciso comparecer ao cartório de registro de imóveis e registrar a propriedade do imóvel. Esse procedimento é feito com a posse da escritura ou com o contrato de compra e venda, e é a partir desse momento que o proprietário tem direito a usar o imóvel, empresar, alugar, vender, bem como solicitar ao juízo competente o pedido de desocupação, se for o caso. Nessa etapa, caso a negociação direta com o ocupante não seja possível, será preciso contratar um advogado.

Fonte: Infomoney