AMSPA: 25 ANOS DE VITÓRIAS NA DEFESA DOS MUTUÁRIOS

AMSPA: 25 ANOS DE VITÓRIAS NA DEFESA DOS MUTUÁRIOS

Pioneira, a Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências (AMSPA) acaba de completar 25

anos. Desde sua fundação já moveu, na Justiça, mais de 25 mil ações de mutuários da casa própria.

Desde que surgiu, há 25 anos, com objetivo de defender os compradores de imóveis contra os abusos de

construtoras, cooperativas e instituições financeiras, a AMSPA – Associação dos Mutuários de São

Paulo e Adjacências tem conscientizado os mutuários sobre os seus direitos na Justiça perante as

instituições financeiras e construtoras. A entidade foi criada, em julho de 1991, pelo sócio-fundador João

Bosco Brito da Luz, advogado preocupado com as demandas relacionadas à aquisição da casa própria.

O filho, Marco Aurélio Luz, atual presidente da AMSPA, segue os passos do pai. Ele lembra que Dr.Bosco,

como era conhecido, ingressou no curso de Direito da Universidade Federal de Santa Catarina aos 46 anos de idade.

“Já formado, meu pai percebendo os problemas existentes com os contratos de financiamento, achou que algo deveria ser feito”.

Relembra emocionado, sobre a luta do fundador junto aos associados, contra os abusos financeiros ligados ao sistema habitacional.

Hoje, das 25 mil ações na Justiça, a instituição, que já conseguiu resolver mais de 15 mil casos com sucesso,

continua cumprindo os ideais do fundador, de ajudar os mutuários na busca pelos seus direitos como

cidadãos e de trazer visibilidade pública aos problemas dos compradores de imóveis.

Ao mesmo tempo, a associação, que tem por objetivo reunir, instruir, representar e defender judicialmente

ou extrajudicialmente os proprietários de imóveis financiados, por meio de vários sistemas ligados a

habitação como SFH, SFI, COHAB, CDHU e construtoras, sempre se preocupou com sua imagem

institucional para ter a frente pela causa dos mutuários.

Essa visão futurista, fez com que, nesse período, mais de 21 mil mutuários procurassem a AMSPA para

obter respaldo jurídico na busca de solução de problemas como: leilão de imóvel por falta de pagamento,

saldo devedor muito alto, prestações elevadas a ponto de provocar inadimplência, taxas abusivas, atraso na

obra, entre outros.

O tempo dos processos, no entanto, é indeterminado, pois depende dos trâmites determinados pela Justiça

brasileira. “Temos sempre de aguardar os prazos do Judiciário”, explica o presidente da associação. “A boa

notícia é que conseguimos mais de 85% de vitórias para os nossos associados ! ”, festeja.

De acordo com Luz, a AMSPA procura auxiliar e facilitar o acesso dos compradores e proprietários de

imóvel aos seus direitos na aquisição de bens. “Nossa instituição tem como propósito defender os mutuários,

para que saibam de seus direitos e não sejam mais enganados pelas construtoras ou pelas instituições

financeiras.”

Para se associar, clique aqui e saiba mais.

 

Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências

Pioneira na proteção dos direitos dos donos de imóveis, a AMSPA foi criada em julho de 1991, pelo mutuário

João Bosco Brito, com objetivo defender os mutuários contra os abusos de construtoras, cooperativas e

instituições financeiras em assuntos relacionados à aquisição da casa própria.

 

A Associação dos Mutuários atende 21 mil associados na região de São Paulo e adjacências, proprietários

com os mais variados tipos de financiamento habitacional, entre eles: SFI – Sistema Financeiro Imobiliário;

SFH – Sistema Financeiro da Habitação; COHAB – Companhia Metropolitana de Habitação; CDHU –

Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano; PAR – Programa de Arrendamento Residencial; além

de contratos diretos com construtoras; cooperativas habitacionais e Carteira Hipotecária.

 

Presidida por Marco Aurélio Luz, a AMSPA possui uma sede, localizada em São Paulo, na praça Dr. João

Mendes e mais quatro subsedes, uma no bairro do Tatuapé e outra em Pinheiros, na Capital paulista, as

outras duas situadas em Santos e Campinas. Com 25 anos de atividades, a AMSPA já solucionou mais de 15

mil casos judiciais ou extrajudiciais. Desses, 85% dos processos tiveram causa ganha já na 1ª instância.